quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Retratos em Preto e Branco, Coloridos de Juventude














Mocidade

A mocidade esplêndida, vibrante,
Ardente, extraordinária, audaciosa.
Que vê num cardo a folha duma rosa,
Na gota de água o brilho dum diamante;

Essa que fez de mim Judeu Errante
Do espírito, a torrente caudalosa,
Dos vendavais irmã tempestuosa,
- Trago-a em mim vermelha, triunfante!

No meu sangue rubis correm dispersos:
- Chamas subindo ao alto nos meus versos,
Papoilas nos meus lábios a florir!

Ama-me doida, estonteadoramente,
O meu Amor! que o coração da gente
É tão pequeno... e a vida, água a fugir...

                                       Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"







sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS




Boas Festas.
Fröhliche Weihnachten.
I'd miilad said oua sana saida.
Shenoraavor Nor Dari yev Pari Gaghand.
Tchestita Koleda;
Tchestito Rojdestvo Hristovo.
Vefelé Vánoce.
Kung His Hsin Nien bing Chu Shen Tan.
Gun Tso Sun Tan'Gung Haw Sun.
Sung Tan Chuk Ha.
Sretan Bozic.
Glædelig Jul.
Vrolijk Kerstfeest en een Gelukkig Nieuwjaar!
Vesele vianoce.
Feliz Navidad y próspero ano nuevo.
Hyvää joulua.
Joyeux Noel et heureuse anne.
Kala Christouyenna!
Kellemes Karacsonyi unnepeket.
Selamat Hari Natal.
Merry Christmas and a Happy New Year.
Idah Saidan Wa Sanah Jadidah.
Nollaig Shona Dhuit.
Buone Feste Natalizie.
Cestitamo Bozic.
Shinnen omedeto. Kurisumasu Omedeto.
Linksmu Kaledu.
God Jul.
Wesolych Swiat Bozego Narodzenia.
Sarbatori vesele.
Pozdrevlyayu s prazdnikom Rozhdestva.
Is Novim Godom.
God Jul och gott nytt År.
Sawadee Pee Mai.
Noeliniz Ve Yeni Yiliniz Kutlu Olsun.
Srozhdestvom Kristovym.
Chung Mung Giang Sinh.



David Fonseca - Um artista português que recomendo! (http://www.davidfonseca.com/)



quinta-feira, 29 de março de 2012

Silhuetas e Ocasos ao Acaso



oooOOoOOooo


oooOOoOOooo


oooOOoOOooo


oooOOoOOooo


oooOOoOOooo

video




                                              oooOOoOOooo



Canção da Saudade


Se eu fosse cego amava toda a gente.

Não é por ti que dormes em meus braços que sinto amor. Eu amo a minha irmã gemea que nasceu sem vida, e amo-a a fantazia-la viva na minha edade.

Tu, meu amor, que nome é o teu? Dize onde vives, dize onde móras, dize se vives ou se já nasceste.

Eu amo aquella mão branca dependurada da amurada da galé que partia em busca de outras galés perdidas em mares longissimos.

Eu amo um sorriso que julgo ter visto em luz do fim-do-dia por entre as gentes apressadas.

Eu amo aquellas mulheres formosas que indiferentes passaram a meu lado e nunca mais os meus olhos pararam nelas.

Eu amo os cemiterios - as lágens são espessas vidraças transparentes, e eu vejo deitadas em leitos florídos virgens núas, mulheres bellas rindo-se para mim.

Eu amo a noite, porque na luz fugida as silhuetas indecisas das mulheres são como as silhuetas indecisas das mulheres que vivem em meus sonhos. Eu amo a lua do lado que eu nunca vi.

Se eu fosse cego amava toda a gente.

           
         Almada Negreiros, in 'Frisos - Revista Orpheu nº1'
         (1893 // 1970 Artista plástico/Poeta/Ensaísta/Romancista/Dramaturgo e Coreógrafo)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Os Besouros e Outros Insectos.






                PASSA UMA BORBOLETA

Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento,
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta,
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem perfume no perfume da flor.
A borboleta é apenas borboleta
E a flor é apenas flor.


                  (do "Guardador de Rebanhos" - Alberto Caeiro)




Dado que o vídeo dos "Besouros" (Beatles) foi removido pelo "dono" (não fosse gastar-se) insiro um outro do nosso Carlos Paredes que nada deve, tanto em originalidade como em genialidade!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

domingo, 11 de dezembro de 2011

Gatos



  



É noite: sobre os telhados de novo
Se perde o rosto redondo da Lua.
Ele, o mais ciumento de todos os gatos,
Olha enciumado para todos os amantes,
O pálido e gordo «Homem da Lua».
Arrasta o seu cio furtivo pelos cantos mais escuros,
Espreguiça-se encosta-se a janelas entreabertas,
Como um frade lascivo e anafado anda
De noite, atrevido, por caminhos proibidos.

                                                       Friederich Nietzsche



quarta-feira, 2 de novembro de 2011

segunda-feira, 24 de outubro de 2011